Posted by: APO | 22 July 2015

Testes para a malária reduzem a prescrição excessiva em mais de 70%


Testes para a malária reduzem a prescrição excessiva em mais de 70%

A introdução de testes de diagnóstico rápido em farmácias ugandesas melhora o tratamento dos doentes com malária

LONDON, United-Kingdom, July 22, 2015/African Press Organization (APO)/ O uso de testes de diagnóstico rápido para a malária (RDT em inglês) em farmácias licenciadas numa região altamente endémica no Uganda reduziu substancialmente os diagnósticos errados de malária, melhorando o uso de medicamentos contra a malária valiosos, de acordo com um novo estudo publicado na revista PLOS ONE.

Logo ACT Consortium: http://www.photos.apo-opa.com/plog-content/images/apo/logos/act.jpg

Logo London School of Hygiene & Tropical Medicine: http://www.photos.apo-opa.com/plog-content/images/apo/logos/lshtm.jpg

Photo: http://www.photos.apo-opa.com/index.php?level=picture&id=2303

A maior parte dos 15 mil doentes que procuraram farmácias por terem febre optaram por comprar um RDT quando um lhes foi proposto por um dos vendedores treinados que fizeram parte do estudo. Uma vez realizado o teste, os resultados mostraram que menos de 60% dos pacientes tinham, de facto, malária. Os vendedores geralmente agiram de acordo com os resultados do teste, reduzindo a prescrição excessiva de medicamentos contra a malária em 73%.

Os investigadores do Consórcio para as Terapias Combinadas à base de Artemisinina (ACT Consortium em inglês) (http://www.actconsortium.org) no Ministério da Saúde do Uganda e na Escola de Londres de Higiene & Medicina Tropical (London School of Hygiene & Tropical Medicine em inglês) no Reino Unido levaram a cabo este estudo porque até 80% dos casos de malária no Uganda são tratados no setor privado.

O setor privado é um recurso comum de tratamentos em muitas outras áreas onde a malária é endémica, particularmente onde há pouco acesso a serviços de saúde públicos. Os pacientes compram medicamentos contra a malária em lojas ou farmácias para se automedicarem, apesar de a causa da febre nem sempre ser malária, portanto, o tratamento inapropriado é muito comum.

O Prof. Anthony Mbonye do Ministério da Saúde do Uganda e autor principal do estudo, disse: “As nossas conclusões mostram que é exequível colaborar com o setor da saúde privado e introduzir RDTs para a malária nas farmácias. O próximo passo é refinar a estratégia e perceber as implicações quanto ao custo associado ao seu alargamento pelo país. O nosso objetivo a longo prazo é fornecer provas para ajudar a Organização Mundial de Saúde a desenvolver orientações para melhorar o tratamento da malária no setor privado.”

A Dr. Sian Clarke da Escola de Londres de Higiene e Medicine Tropical, igualmente uma das investigadoras principais na pesquisa, disse: “Este estudo mostra que os RDTs podem melhorar o uso das ACTs – o tratamento mais eficaz para a malária – nas farmácias, mas não vem sem as suas dificuldades. Estes testes por si só não melhorarão o tratamento de outras doenças. Precisamos agora de continuar a trabalhar com o Ministério da Saúde para investigar como melhorar a nossa abordagem e alargá-la a outras doenças comuns.”

Atualmente, os vendedores nas farmácias geralmente tratam os doentes com base nos sinais e sintomas que apresentam, sem realizar testes sanguíneos para a deteção de parasitas da malária, como recomendado pela Organização Mundial de Saúde. Isto pode resultar em doentes com febre serem erradamente diagnosticados com malária e serem levados a comprar uma ACT de que não precisam.

A microscopia é um método que requer equipamento laboratorial e pessoal qualificado, enquanto os RDTs são ferramentas alternativas e simples que requerem uma formação mínima para diagnosticar a malária. Estes testes rápidos podem ajudar os trabalhadores e vendedores da área da saúde em locais remotos a fornecer o tratamento antipalúdico correto.

Uma investigação conduzida em paralelo com este estudo, publicada na Critical Public Health, descobriu que apesar da sua popularidade, os testes da malária não são uma solução simples no setor privado. Os doentes saudaram os RDTs, assim como o envolvimento do governo em melhorar as farmácias, e os vendedores sentiram-se “importantes” e mais próximos de serem trabalhadores qualificados no setor público de saúde, por lhes ser permitido fazerem testes ao sangue. No entanto, os investigadores alertam que isto pode dar uma falsa impressão acerca das restantes competências e serviços dos vendedores, sendo necessária uma regulamentação por parte das autoridades.

A equipa recebeu recentemente uma nova bolsa para investigar a viabilidade de formar e equipar farmácias licenciadas para gerir três doenças-chave na infância: malária, pneumonia e diarreia.

O ACT Consortium é financiado através de uma bolsa da Fundação Bill e Melinda Gates à Escola de Londres de Higiene e Medicina Tropical.

Distribuído pela APO (African Press Organization) em nome da ACT Consortium.

Para mais informações, ou para pedir entrevistas, contacte Katie Steels, Gestora para os Media na London School of Hygiene &Tropical Medicine: press@lshtm.ac.uk e +44 (0)20 7927 2802.

Notas aos Editores:

•          Resultados do estudo publicados na PLOS ONE: Mbonye AK, Magnussen P, Lal S, Hansen KS, Cundill B, Chandler C, et al. (2015) A Cluster Randomised Trial Introducing Rapid Diagnostic Tests into Registered Drug Shops in Uganda: Impact on Appropriate Treatment of Malaria. PLoS ONE 10(7): e0129545. doi:10.1371/journal.pone.0129545

•          Aprenda mais sobre esta pesquisa em www.actconsortium.org/RDTdrugshops

•          Veja e use um pequeno vídeo com os principais investigadores desde estudo https://vimeo.com/76031268

•          Estudo paralelo: Hutchinson E, Chandler C, Clarke S, Lal S, Magnussen P, Kayendeke M, et al. ‘It puts life in us and we feel big’: shifts in the local health care system during the introduction of rapid diagnostic tests for malaria into drug shops in Uganda. Critical Public Health. 2014:1-15.

o          Notícia: Malaria testing not a simple fix in the private sector

•          Veja e use uma animação com 90 segundos acerca da problemática do diagnóstico da malária em https://vimeo.com/109480993 (em inglês), https://vimeo.com/125150730 (francês) e https://vimeo.com/125548287 (português)

Para aceder ao artigo embargado, visite: https://www.plos.org/wp-content/uploads/2015/07/pone-10-7-Mbonye.pdf

IMPORTANTE : A hiperligação acima destina-se exclusivamente a jornalistas; se desejar deixar uma hiperligação a este artigo para os seus leitores, por favor use a seguinte, que ficará ativa assim que terminar o embargo: http://dx.plos.org/10.1371/journal.pone.0129545

Os investigadores introduziram os RDTs em 10 núcleos de farmácias do distrito de Mukono, no centro do Uganda, e comparou-os com 10 outros núcleos de controlo, onde o tratamento era dado com base nos sinais e sintomas manifestados pelos doentes. A decisão do vendedor em tratar o paciente com uma terapia combinada à base de artemisina (ACT) – o tratamento recomendado pela Organização Mundial de Saúde para malária sem complicações – foi validada por confirmação da presença do parasita da malária no sangue do doente através de microscopia levada a cabo pela equipa de investigadores. O diagnóstico errado de malaria e a prescrição excessiva de tratamentos para a malária foram reduzidos em 73%, aumentando o tratamento apropriado com ACTs em 36%.

Instituições colaboradoras: Ministério da Saúde, Kampala, Uganda; Escola de Londres de Higiene e Medicina Tropical, Reino Unido; Universidade de Copenhaga, Dinamarca.

Sobre o ACT Consortium

O ACT Consortium (http://www.actconsortium.org) consiste numa colaboração de investigação internacional, que trabalha em 25 projectos em 10 países, para responder a questões essenciais sobre o fornecimento de medicamentos para a malária. Desde que iniciou as suas actividades em 2008, o Consortium tem trabalhado para otimizar a utilização da terapia combinada à base de artemisina (ACT), o tratamento de primeira linha para a forma de malária mais perigosa, recomendado pela Organização Mundial de Saúde. Os projectos investigam formas de melhorar o acesso e focalização das ACT, avaliando também a segurança e qualidade destas. O ACT Consortium tem sede na Escola de Londres de Higiene & Medicine Tropical e é membro do Malaria Centre dessa escola.

Sobre a Escola de Londres de Higiene & Medicine Tropical (London School of Hygiene & Tropical Medicine)

A Escola de Londres de Higiene & Medicine Tropical é um centro líder mundial na investigação e educação ao nível de pós-graduação sobre saúde pública e global, com 3900 alunos e mais de 1000 colaboradores em mais de 100 países. A escola é uma das instituições de investigação mais respeitadas do Reino Unido, tendo recentemente sido indicada como a melhor escola superior centrada na investigação ao nível mundial. A nossa missão é melhorar a saúde e a paridade de saúde no Reino Unido e em todo o mundo, trabalhando em parceria para obter excelência na investigação pública e global, educação e tradução dos conhecimentos em políticas e práticas. www.lshtm.ac.uk

SOURCE

ACT Consortium


Categories

%d bloggers like this: