Posted by: APO | 16 December 2014

Eliminar o Ébola na Libéria

 


 

Eliminar o Ébola na Libéria

 

Uma iniciativa africana inovadora para reforçar os sistemas alimentares e combater a doença do vírus Ébola

NAIROBI, Kenya, December 16, 2014/African Press Organization (APO)/ Milhares de agricultores mais desfavorecidos na Libéria vão beneficiar de uma iniciativa inovadora de distribuição de sementes melhoradas, garantindo as estratégias de segurança alimentar e as estratégias da luta contra a doença do vírus Ébola na Libéria.

Logo: http://www.photos.apo-opa.com/plog-content/images/apo/logos/agra.jpg

Esta iniciativa, a cargo da AGRA (Aliança para uma Revolução Verde em África) (http://www.agra.org) em parceria com o governo e outras partes interessadas, visa reforçar o frágil sistema alimentar, ao fornecer sementes de qualidade em conjunto com mensagens de prevenção do Ébola aos agricultores – muitos dos quais não têm acesso a produtos essenciais, nomeadamente a sementes melhoradas.

“Os 50 milhões de toneladas de sementes de milho amarelo de alto rendimento oferecidos como donativo hoje, irão contribuir muito para garantir que os agricultores mais desfavorecidos e respetivas famílias permaneçam seguros, a nível alimentar, durante este difícil período da epidemia da doença do vírus Ébola”, refere a Presidente da AGRA, Dra. Agnes Kalibata. “Não queremos que a epidemia de febre do vírus Ébola se transforme numa crise alimentar.”

“A febre do vírus Ébola tem o potencial de perturbar os nossos sistemas alimentares, uma vez que afeta as partes mais produtivas das nossas economias, tal como aconteceu com a pandemia do VIH/SIDA há alguns anos. A AGRA construiu uma plataforma que ajuda a fornecer não só os meios necessários para a produção agrícola mas também a transmitir mensagens sobre higiene e de sensibilização de saúde às populações”, afirmou o Sr. Strive Masiyiwa, Presidente do Conselho de Administração da AGRA e Diretor Executivo da Econet Wireless. “Estou muito entusiasmado por ver a AGRA a consolidar um apoio à pequena agricultura na Libéria em parceria com o governo e o setor privado, combatendo simultaneamente o vírus Ébola” e acrescentou que a plataforma implementada pela AGRA, dirigida por africanos, é um dos mecanismos de distribuição mais eficazes em África.

Apesar de a Libéria ser um país extremamente dependente da agricultura, o setor sofreu graves contratempos com um grande número dos seus agricultores incapazes de produzir a um nível ideal. Esta situação foi agravada pelo impacto negativo da febre do vírus Ébola, onde o medo da doença levou os agricultores a abandonar os seus campos. A nova iniciativa da AGRA, com início na Libéria, tem como alvo os agricultores mais desfavorecidos em quatro províncias. As sementes de milho de alto rendimento têm o potencial de aumentar as colheitas em um fator de dois ou três, reduzindo a pressão sobre o fornecimento de alimentos, enquanto as mensagens de sensibilização do Ébola e o fornecimento de utensílios simples, como baldes e sabão, vão proporcionar aos agricultores a primeira linha de defesa contra a doença.

Para desenvolver esta iniciativa, a AGRA trabalhou em conjunto com os governos da Libéria e da Costa do Marfim, com o Banco Africano de Desenvolvimento e o setor privado do Mali. “A AGRA está extremamente grata ao Presidente do Banco Africano de Desenvolvimento, o Dr. Donald Kaberuka, e ao governo da Costa do Marfim pelo apoio prestado no encaminhamento em tempo útil das sementes na fronteira da Costa do Marfim com a Libéria”, afirmou o Dr. Kalibata.

“Com este apoio da Fundação de Desenvolvimento Econet e em resposta à iminente crise alimentar no país, o nosso Programa para Sistemas de Sementes Africanas (PASS) irá intensificar a sua intervenção através do acesso a sementes de alta qualidade para melhorar a prática agrícola e a disponibilidade de alimentos dos agricultores liberianos”, afirmou o Diretor da PASS, Dr. Joe DeVries. “Iremos trabalhar em parceria com os Ministérios da Agricultura e Saúde, empresas sementeiras privadas, organizações rurais nacionais e outros parceiros locais para garantir que esta ajuda fornecida chega aos agricultores afetados.”

Embora este conjunto de sementes seja distribuído gratuitamente, devido às pressões financeiras a que os agricultores estão sujeitos, a iniciativa é parte integrante de uma abordagem da AGRA com vista a garantir melhores sistemas alimentares. Criando empresas sementeiras e formando vendedores de produtos agrícolas, criam-se incentivos de mercado adequados, assegurando uma sustentabilidade económica a longo prazo.

Com o apoio da Fundação Howard G. Buffett, o PASS tem trabalhado para desenvolver um sistema de sementes com base na procura de sementes de qualidade por parte dos agricultores. A organização apoia atualmente três empresas locais de sementes na produção, multiplicação e disponibilização de sementes de qualidade aos agricultores. O PASS também concedeu subvenções ao CARI (Instituto Central de Investigação em Agricultura) para a realização de investigação sobre alimentos básicos como o arroz, a mandioca e o milho, de forma a melhorar a produtividade agrícola e deu formação a oito especialistas liberianos em sementes na Universidade de Ciência e Tecnologia de Kwame Nkrumah, no Gana, na tentativa de garantir que os agricultores no país deixem de utilizar sementes de baixo rendimento para passarem a utilizar sementes de alto rendimento.

Distribuído pela APO (African Press Organization) em nome da Aliança para uma Revolução Verde em África (AGRA).

Contactos de imprensa:

Sylvia Mwichuli

Tel.: +254 736 880 620; smwichuli@agra.org

Sobre a AGRA

A AGRA (http://www.agra.org) é uma parceria dinâmica que trabalha em todo o continente africano para ajudar milhões de agricultores mais desfavorecidos e as suas respetivas famílias a saírem da pobreza e a evitarem a fome. Os programas da AGRA desenvolvem soluções práticas para aumentar significativamente a produtividade agrícola e os rendimentos dos mais pobres, protegendo simultaneamente o ambiente. A AGRA defende políticas que apoiem o seu trabalho em todos os principais aspetos da cadeia africana de valores agrícolas — desde sementes, saúde do solo e água até aos mercados e educação agrícola. A AGRA trabalha em toda a África subsariana e mantém uma sede em Nairobi, Quénia, e escritórios regionais no Gana, Mali, Moçambique e Tanzânia. O Conselho de Administração da AGRA nomeou recentemente a antiga ministra ruandesa, a Dra. Agnes Kalibata, como Presidente da organização. Saiba mais em www.agra.org

SOURCE 

AGRA


Categories

%d bloggers like this: