Posted by: APO | 6 June 2014

A “guerra total” contra o grupo Boko Haram pode transformar este grupo numa ameaça mais generalizada à segurança na Nigéria e em África


 

A “guerra total” contra o grupo Boko Haram pode transformar este grupo numa ameaça mais generalizada à segurança na Nigéria e em África

 

ABUJA, Nigeria, June 6, 2014/African Press Organization (APO)/ A tendência para a violência do grupo Boko Haram ser motivada por vingança, em conjunto com a provável capacidade de ataque latente em outras zonas da Nigéria e da região envolvente, pode significar que uma “guerra total” contra o grupo teria como resultado terrorismo e mais violência em estados da Nigéria anteriormente não afetados, bem como em outros países da sub-região. Tal poderia, eventualmente, destabilizar ainda mais os países vizinhos, cujo equilíbrio interno atual é precário e, consequentemente, reduzir a segurança na Nigéria. 

Logo: http://www.photos.apo-opa.com/plog-content/images/apo/logos/think-security-africa.png

 

Photo: http://www.photos.apo-opa.com/index.php?level=picture&id=1152

 

“O grupo Boko Haram não conseguiu apresentar uma alternativa viável ao sistema de governação atual. Para além do mais, demonstrou um profundo desprezo pelas vidas e propriedade das mesmas pessoas que afirmam pretender governar. Os grandes problemas são: (1) quanto tempo vai demorar a por fim à violência e (2) quantas vidas e países vai este grupo destruir antes de serem detidos. Por estas razões, a estratégia para os derrotar tem de ser escolhida com muito cuidado” afirma Adunola Abiola, fundador da Think Security Africa (http://www.thinksecurityafrica.org).

 

Os ataques do grupo Boko Haram continuam a desviar atenções e recursos dos problemas sociais e políticos da Nigéria, os quais permitiram o surgimento de grupos como o Boko Haram. Consequentemente, os esforços nigerianos e internacionais para por fim à insurreição do grupo devem dar prioridade à sua contenção e adotar conceitos de operações que protejam os civis, reforcem a proteção das forças de segurança locais e reduzam a capacidade de ação do grupo Boko Haram, tanto no âmbito regional como nacional. Adotar uma postura de força de retaliação provavelmente resultaria numa situação idêntica à do forte combate ao Boko Haram em 2009 no qual, apesar das muitas baixas sofridas, conseguiram reagrupar e desencadear uma campanha de violência sem precedentes e de grande amplitude contra o povo nigeriano.

 

O documento Think Security Africa relativo à Segurança Nacional na Nigéria, está disponível em: http://thinksecurityafrica.org/research/national-security-in-nigeria. Foi escrito pela primeira vez em 2011 e foi transferido, parcial ou integralmente, mais de 16 000 vezes.

 

Distribuído pela APO (African Press Organization) em nome da Think Security Africa (TSA).

 

 

Contacto para meios de comunicação social: Joel Tavon

E-mail: info@thinksecurityafrica.org

Tel: +44 207 287 0008

 

Think Security Africa (TSA) (http://www.thinksecurityafrica.org) é um grupo de reflexão independente que se especializa na segurança em África. O TSA tem como principal missão aumentar o conhecimento sobre a questão da segurança em África e participar em investigações imparciais sobre as causas e possíveis soluções para a falta de segurança em África. Os recursos do TSA são utilizados por governos, organizações intergovernamentais, jornalistas e empresas para os ajudar nas suas missões com foco em África.

 

SOURCE 

Think Security Africa (TSA)


Categories

%d bloggers like this: