Posted by: APO | 22 September 2013

Espetacular montagem antes da Reunião de Alto Nível da ONU em Nova Iorque, a 21 de setembro de 2013


Espetacular montagem antes da Reunião de Alto Nível da ONU em Nova Iorque, a 21 de setembro de 2013

Direitos para os portadores de deficiência já – Estátua da Liberdade transforma-se na Estátua da Justiça

NEW YORK, September 22, 2013/African Press Organization (APO)/ A próxima segunda-feira, 23 de setembro, irá centrar-se nos direitos humanos mais fundamentais e na participação efetiva de mil milhões de pessoas. As pessoas portadoras de deficiência – a maior minoria do mundo – continua a ser estigmatizadas, escondidas e marginalizadas, nunca estando no centro mas sim sempre à margem da sociedade. São excluídas em vez de incluídas. Estando em linha com o grito dos manifestantes – “Nada em nós nos reduz” – representantes de ONG de quatro continentes, entre eles crianças portadoras de deficiência da Índia, exigem o fim das barreiras.

Logo: http://www.photos.apo-opa.com/plog-content/images/apo/logos/l4tw.jpg

Photo 1: http://www.photos.apo-opa.com/index.php?level=picture&id=636
(Rheka Kumari, Henry Wanyoike and lady liberty and justice)

Photo 2 http://www.photos.apo-opa.com/index.php?level=picture&id=635
(Lady Liberty turns blind and morphs into Lady Justice)

Com a sua bengala branca, Mike Godino do Brooklyn Center for the Independence of the Disabled (BCID, Centro de Brooklyn para a Independência de Pessoas Portadoras de Deficiência), foi tocando o seu caminho até à sala de conferências extraordinariamente iluminada da Missão Australiana para as Nações Unidas em Nova Iorque.  É poderoso expressar as preocupações mais fundamentais numa representação diplomática no 31.º andar. Esta é uma missão única, que partilha com os seus irmãos e irmãs portadores de deficiência em todo o mundo.  “Quando se não for agora? No ano passado, faltaram-nos quatro votos para que a Convenção sobre os Direitos de Pessoas Portadoras de Deficiência no Senado. Este ano, temos de conseguir porque se trata dos membros mais vulneráveis de uma sociedade”. Em seguida, Rheka Kumari inicia a sua participação depois de conduzir, a muito custo, a sua cadeira de rodas em frente do painel presente na conferência de imprensa da ONG internacional “Light for the World” (http://www.light-for-the-world.org). Com o coração a bater forte e a voz em tom alto, afirmou: “Durante a época das chuvas, não consigo chegar a horas à escola sozinha. Nessas alturas, sou acusada de não cumprir as regras. Quando vou ao hospital, sou a última da fila e, por vezes, nem sou atendida. Nós, crianças com deficiências, termos direitos! Quando é que o mundo irá compreender isso?” O maratonista invisual detentor do recorde mundial, Henry Wanyoike, do Quénia, reitera esse sentimento: “Ninguém acreditava em mim quando queria bater recordes mundiais depois de ter ficado cego. Por vezes, até eu perdi a fé. “Nós somos muito capazes, se nos derem a oportunidade! Deficiência não é incapacidade…”

A voz destes defensores, novos e velhos, de todas as partes do mundo, faz-se ouvir nas ruas de Nova Iorque. Agora, é a vez dos líderes mundiais: na próxima segunda-feira, 23 de setembro, na sede das Nações Unidas, os líderes mundiais irão reiterar o seu compromisso para garantirem que todas as crianças portadoras de deficiência podem frequentar a escola e que os esforços de combate à pobreza chegam às pessoas portadoras de deficiência, que se encontram entre as mais pobres do mundo. Estão em risco as vidas e as oportunidades de uma em cada sete pessoas no mundo.

O Professor Stephen Hawking no seu prefácio do primeiro Relatório Mundial sobre a Deficiência escreveu: “Os governos de todo o mundo não podem continuar a ignorar as centenas de milhões de pessoas portadoras de deficiência a quem é negado o acesso à saúde, reabilitação, apoio, ensino e emprego e que nunca têm a oportunidade de brilhar.”

Nesta perspetiva, a Estátua da Liberdade foi vendada por pessoas portadoras de deficiência de todo o mundo que já se encontravam em Nova Iorque na sexta-feira. O monumento mais emblemático de Nova Iorque transformou-se na “Estátua da Justiça”. E o mundo susteve a respiração. A Estátua da Liberdade representa a proteção da justiça, negada a tantas pessoas portadoras de deficiência. Mas, na sua mão direita não segura uma espada, mas sim uma tocha de esperança, a chama da liberdade.

Distributed by the African Press Organization on behalf of Light for the World.

Dicas na Internet: http://www.light-for-the-world.org * http://www.endexclusion.eu

Rheka Kumari, Mike Godino e Henry Wanyoike estão disponíveis para entrevistas pessoais até terça-feira, 24 de setembro, em Nova Iorque.

A reprodução destas imagens é grátis desde que a linha completa de créditos seja mencionada:

“eden photography/Light for the World” – e mais fotografias disponíveis.

Informações:

Gabriel Müller, diretor da aliança internacional

Light for the World

telemóvel: +43 676 950 42 04

e-mail: g.mueller@light-for-the-world.org

website: http://www.light-for-the-world.org

SOURCE

Light for the World


Categories

%d bloggers like this: