Posted by: APO | 16 September 2013

Mil milhões de pessoas com deficiência têm direitos


Mil milhões de pessoas com deficiência têm direitos

A Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos exige o fim da exploração e marginalização das pessoas com deficiência

GENEVA, Switzerland, September 16, 2013/African Press Organization (APO)/ Uma em cada sete pessoas no mundo é portadora de uma deficiência. Esta tendência tem vindo a aumentar. Embora a maioria das pessoas com deficiência viva em países em vias de desenvolvimento, as alterações demográficas estão também a causar um aumento significativo de pessoas com deficiência nos países desenvolvidos. Os direitos humanos são universais. Numa discussão de alto nível em Genebra, a Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, Navi Pillay, exigiu o fim da exclusão das pessoas com deficiência.

Logo: http://www.photos.apo-opa.com/plog-content/images/apo/logos/l4tw.jpg

Photo: http://www.photos.apo-opa.com/index.php?level=picture&id=629 (From Left to Right: Blind Ethiopian human rights defender Yetnebersh Nigussie, UN High Commissioner for Human Rights Navi Pillay, Professor Ron McCallum)

Navi Pillay mostra-se claramente bem-disposta ao entrar no Conselho dos Direitos Humanos das Nações Unidas em Genebra. Os esforços mundiais para fortalecer os direitos dos membros mais vulneráveis da sociedade estão a progredir. À medida que Pillay inicia a discussão, a sensatez das suas observações deixa-nos desconcertados: “Acabar com a exploração, marginalização e exclusão das pessoas com deficiência é uma simples questão de bom senso. As pessoas com deficiência, cujos direitos são protegidos e não sofrem discriminação, são mais capazes de contribuir para as suas comunidades tanto económica quanto socialmente.”

A defensora dos direitos humanos cega, oriunda da Etiópia, Yetnebersh Nigussie, reitera aquelas palavras graças à sua experiência de infância: “A minha mãe tinha medo que eu fosse violada e, por isso, enviou-me para uma escola especial. As mulheres com deficiência são altamente vulneráveis e os seus direitos continuam em causa também nos países que ratificaram a Convenção dos Direitos das Pessoas com Deficiência.”

O professor Ron McCallum foi o primeiro professor cego na Austrália e tem sido pioneiro, conseguindo deslumbrar corpos docentes por todo o mundo com os seus conhecimentos especializados. Figura destacada na advocacia, é vice-presidente do Comité das Nações Unidas para a Convenção dos Direitos das Pessoas com Deficiências. A sua mensagem para o mundo é simples: “Queremos divertir-nos e trabalhar como toda a gente. A forma como tratamos as pessoas com deficiência é um indicador para as nossas sociedades. As pessoas com deficiência estão entre as mais pobres do mundo; a inclusão nos Objetivos de Desenvolvimento do Milénio das Nações Unidas é essencial.”

A Alta Comissária Navi Pillay está de olhos postos em Nova Iorque, onde os chefes de estado se reunirão a 23 de setembro para adotar um plano orientado para ações para fortalecer os direitos das pessoas com deficiência: “A Reunião de Alto Nível da Assembleia Geral sobre deficiência e desenvolvimento ocorre daqui a dez dias. É uma oportunidade que devemos agarrar.”

Distributed by the African Press Organization on behalf of Light for the World.

Dicas na Internet: http://www.light-for-the-world.org * http://www.endexclusion.eu

A reprodução destas imagens é grátis desde que a linha completa de créditos seja mencionada: “Studio Casagrande/Light for the World”

Informações:

Gabriel Müller, diretor da aliança internacional

Light for the World

telemóvel: +43 676 950 42 04

e-mail: g.mueller@light-for-the-world.org

internet: www.light-for-the-world.org

SOURCE

Light for the World


Categories

%d bloggers like this: