Posted by: APO | 9 September 2013

A AGRA Lança o Relatório sobre o Status da Agricultura em África


A AGRA Lança o Relatório sobre o Status da Agricultura em África

Relatório sobre as marcas de referencia [benchmarks] do Desenvolvimento Agrícola em África, 10 anos após a Declaração de Maputo

Novo recurso destaca áreas para intervenção e investimento

MAPUTO, Mozambique, September 9, 2013/African Press Organization (APO)/ Hoje, a Aliança para a Revolução Verde Africana (AGRA) (http://www.agra.org)  lança o seu relatório inaugural sobre o estado da agricultura em Africa.

Logo: http://www.photos.apo-opa.com/plog-content/images/apo/logos/agra.jpg

O Relatório sobre o Status da Agricultura em Africa  concentra-se profundamente na cadeia de valores de culturas básicas – desde a sala de aulas, o campo, até ao mercado – em 16 países em todo o continente.

O relatório reúne dados e análise de mais de 15 organizações nacionais e internacionais, incluindo os ministérios da agricultura, o Banco Mundial, a FAO e o Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola.  Este apresenta dados em um formato acessível e consistente, criando uma referência com a qual acompanhar o desenvolvimento da agricultura em África.

O Relatório inaugural concentra-se nos alimentos básicos, tais como cereais e tuberosos/raízes comestíveis, cerca de 75 % dos quais são produzidos em África, e não são importados.

O relatório revela que:

•          Enquanto que um grande número de países vão investindo fortemente no R&D e no desenvolvimento de seu sector agrícola, outros estão atrasados, em detrimento em termo de segurança de alimentos. Em termos de pessoal engajado na pesquisa agrícola, África tem a menor capacidade do mundo, com apenas 70 pesquisadores por um milhão de habitantes ( em comparação com os EUA e o Japão, com 2.640 e 4.380, respectivamente).

•          O declínio da fertilidade do solo ameaça a produtividade das culturas e o desenvolvimento agrícola em vários países. Enquanto o preço médio dos fertilizantes entregues as machambas/quintas nos EUA é de US $ 226 dólares por tonelada, são US $ 414 dólares por tonelada na Zâmbia.

•          As leis e regulamentos nacionais e regionais desactualizadas, estão a restringir o desenvolvimento dos mercados de sementes em África. A duração média do processo de lançamento/liberação de sementes é cerca de três anos na maioria dos países da África Subsaariana.

•          O baixo custo e alimentos de importações subvencionados, estão a enfraquecer os mercados agrícolas africanos, junto com fraco acesso ao crédito, restrições comerciais e os altos custos de transporte. Embora a agricultura representa até 40 % do PIB em alguns países africanos, apenas 0,25 % dos empréstimos bancários vão para os pequenos agricultores.

•          As mulheres, que representam a maioria dos pequenos agricultores em África, são fortemente prejudicadas sobre os sistemas atuais de direitos de terra. Isso está a reduzir a sua capacidade de acesso ao crédito, tecnologias agrícolas e serviços. Evidências mostram que as mulheres são cinco vezes menos propensas a propriedade de terra que os homens.

Discursando no lançamento do relatório, Strive Masiyiwa, Vice-Presidente do Conselho de Administração da AGRA, disse: ” Se quisermos ter sucesso na concretização de uma Revolução Verde Africana, precisamos de registar e entender aonde e que estamos a fazer progressos, mas também saber onde estamos atrasados. Pela primeira vez, o Relatório sobre o Status da Agricultura em Africa  mostra-nos o grande retrato e permite-nos fazer comparações entre países.  Este fornece os necessários dados importantes e confiáveis e, esperamos, que levem a políticas mais informadas e maior responsabilidade “.

Falando no lançamento do relatório em par com o Fórum da Revolução Verde Africana em Maputo, Moçambique, Jane Karuku, Presidente do AGRA, disse: “O Relatório sobre o Status da Agricultura em Africa está a ser publicado num momento crítico para o continente. Dez anos após a Declaração de Maputo, podemos reconhecer alguns progressos significantes, mas devemos também debruçar-nos nas áreas onde a acção e investimento são urgentemente necessários. Este novo recurso guiará os formuladores de políticas a dirigir os recursos e os esforços, para que possam ter o maior impacto sobre a segurança alimentar e a redução da pobreza. ”

DavidAmeyaw, Director de Estratégias, Monitoria e Avaliação na AGRA e um dos principais autores do relatório, disse:  ” Este relatório marca o início de um projeto ambicioso para consolidar dados confiáveis e acessíveis sobre agricultura africana. Existem lacunas consideráveis sobre o nosso conhecimento sobre

o sector agrícola – governos, instituições nacionais de pesquisa, mas também os atores do sector privado, precisam colher e compartir dados abertamente. O nosso objectivo é estender a nossa análise para incluir todos os países da África Subsaariana dentro de um par de anos. ”

Distributed by the African Press Organization on behalf of Alliance for a Green Revolution in Africa (AGRA).

Contactos:

Anne Wangalachi

awangalachi@agra.org

+258 84 27 42 898 (Cell em Moçambique)

+254 736 230 600 (Cell no Quênia)

Caroline Boin

caroline.boin@portland-communications.com

+258 84 784 3230 (Cell em Moçambique)

Mais informações:

Para ler o relatório executivo e o relatório integral, visite http://www.agra.org

Sobre a Aliança para a Revolução Verde Africana (AGRA)

A AGRA (http://www.agra.org) é uma parceria dinâmica que trabalha em todo o continente africano para ajudar milhões de pequenos agricultores e suas famílias a saírem da pobreza e da fome.   Os programas da AGRA desenvolvem soluções práticas para aumentar significativamente a produtividade agrícola e os rendimentos para os pobres, salvaguardando o meio ambiente. A AGRA defende políticas que apoiam o seu trabalho em todos os aspectos-chave da cadeia de valores agrícolas africanas, desde sementes, saúde do solo e da água para os mercados e educação agrícola.

O Conselho de Administração da AGRA é presidido pelo ex-Secretário-Geral das Nações Unidas Kofi Annan. A srta. Jane Karuku, ex Vice-Chefe Executiva  e Secretaria Geral da Telkom Kenya, é agora a presidente da AGRA. Com o apoio das fundações The Rockefeller Foundation, Bill & Melinda Gates Foundation, o Departamento do Desenvolvimento Internacional, USAID e outros doadores, a AGRA trabalha em toda a Africa-Sub-saariana e tem os seus escritórios em Nairóbi, Quênia, e em Acra, Gana.

Website: http://www.agra.org

Facebook: https://www.facebook.com/pages/AGRA-Alliance/316397825040213

Twitter: @AGRAAlliance

SOURCE

Aliança para a Revolução Verde Africana (AGRA)


Categories

%d bloggers like this: