Posted by: APO | 22 August 2013

DHL observa mudanças no mercado tecnológico de África


DHL observa mudanças no mercado tecnológico de África

CAPE-TOWN, South-Africa, August 22, 2013/African Press Organization (APO)/

•           A empresa de transporte expresso prevê que um crescimento de 60% em hardware de TI venha a ter origem nos tablets e smartphones

•           “As empresas de tecnologia que se estabeleçam em África gastarão significativamente menos em logística” – Brewer

Cidade do Cabo, 12 de agosto de 2013: A concorrência no setor da tecnologia está cada vez mais intensa e a a importância da Ásia tanto na qualidade de local de fabrico como na qualidade de mercado de consumo está a crescer. No entanto, apesar da Ásia continua a ser uma região chave no setor, África também tem registado recentemente uma explosão da adoção da tecnologia e deverá desenvolver-se enquanto região.

Logo: http://www.photos.apo-opa.com/plog-content/images/apo/logos/dhl_logo2.jpg

Photo: http://www.photos.apo-opa.com/plog-content/images/apo/photos/charles-brewer.jpg

Esta é a opinião de Charles Brewer, Diretor Executivo da DHL Express para a África Subsariana (http://www.dhl.com), que afirma que uma recente conferência de tecnologia global da DHL revelou estas tendências em torno da dinâmica de mudança do mercado das tecnologias.

Brewer afirma que, devido ao aumento da concorrência no setor, os fornecedores têm de se adaptar e melhorar os produtos e serviços para conseguirem reter e aumentar a sua quota de mercado. “Esta situação apresenta uma oportunidade para que os fornecedores sejam inovadores e facultem aos consumidores os melhores produtos, serviços e preços possíveis.

“Ambas as tendências também prometem ampliar a função da logística como um diferenciador competitivo no setor da tecnologia, especialmente na medida em que as empresas globais procuram parceiros sólidos e bem estabelecidos para apoiar e simplificar o acesso ao mercado africano.”

Afirma Brewer que em África, embora se tenha registado um aumento significativo na procura de produtos eletrónicos de grande consumo, o continente ainda carece de um maior investimento por parte das empresas de tecnologia internacionais para que seja mais do que um mero utilizador final dos produtos tecnológicos.

Afirma também que mais do que em qualquer outro setor, a tecnologia é impulsionada pela constante inovação, ciclos curtos dos produtos e novos canais de vendas. “Da perspetiva da logística, este é um grande desafio, mas também oferece uma oportunidade às marcas mais vanguardistas.”

Brewer afirma que ao estabelecerem-se em África, estas marcas têm capacidade para servir um mercado em crescimento e gastar significativamente menos em custos com logística, uma vez que estão muito mais próximas dos seus clientes.

Segundo um relatório recente da Deloitte com o título The Rise and Rise of the African Middle Class (Ascensão e ascensão da classe média africana), o continente tem uma população desproporcionadamente jovem, onde 62% da população africana tem menos de 25 anos. “Este é um fator positivo a partir de uma perspetiva de investimento externo, uma vez que implica efetivamente que existe uma base de clientes garantida para os anos vindouros em comparação com outros territórios como a Europa, assolada pelo envelhecimento da população.”

O relatório da Deloitte também prevê que a classe média africana continue na sua atual trajetória de crescimento, atingindo o número de 1,1 mil milhões (42% da população do continente) em 2060.

A tendência para a preferência dos dispositivos móveis em relação aos computadores como ferramenta de acesso à Internet também foi realçada na conferência. Florence Noblot, Chefe do Setor de Tecnologia para a Europa, Médio Oriente e África da DHL, prevê que 60% de todo o crescimento de hardware de TI este ano tenha origem nos tablets e smartphones. “Ambos os dispositivos também elevam uma tendência na direção de ciclos de inovação elevados, o que exige que os fornecedores de logística melhorem os seus tempos para a colocação no mercado, apoiando simultaneamente um posicionamento de preços competitivos.

“Esta tendência também é evidente em África e, de acordo com a GSMA, África é já o segundo maior mercado de comunicações móveis por ligações a seguir à Ásia e o mercado de comunicações móveis de maior crescimento no mundo.”

Noblot afirma também que uma tendência geral para produtos simplificados e mais leves, aliada à pressão dos preços, está a desafiar os fabricantes, os seus fornecedores e até mesmo os concorrentes a desenvolverem soluções de colaboração que melhorem a rentabilidade da cadeia de fornecimento de tecnologias.

“Devido ao crescimento económico previsto, os fornecedores de tecnologia têm a oportunidade ideal para penetrar no mercado africano, mas devem ser parceiros experientes com capacidade para fornecer conhecimentos e experiência operacional ao continente”, conclui Noblot.

Distribuído por African Press Organization por Deutsche Post DHL.

Contactos para a comunicação social:

Lee Nelson. Chefe do Departamento de Marketing e Comunicação, África Subsariana

N.º de tel.: +27 21 409 3600 Telemóvel: +27 72 361 0178

lee.nelson@dhl.com

DHL – A empresa de logística para o mundo

A DHL é líder de mercado global na indústria da logística e “A empresa de logística para o mundo”. A DHL dedica os seus conhecimentos de especialidade em transporte expresso, aéreo e marítimo internacional, transporte rodoviário e ferroviário, logística de contratos e serviços de correio postal internacionais aos seus clientes. Uma rede global composta por mais de 220 países e territórios e cerca de 285 mil funcionários em todo o mundo oferecem uma qualidade de serviço superior e conhecimentos locais para responder às suas necessidades de cadeia de fornecimento. A DHL aceita a sua responsabilidade social apoiando a proteção do meio ambiente, gestão de catástrofes e educação.

A DHL faz parte da Deutsche Post DHL. O Grupo gerou receitas superiores a 55 mil milhões de euros em 2012.


Categories

%d bloggers like this: