Posted by: APO | 31 January 2013

Presidente Sirleaf: o mundo perde 260 biliões de dólares americanos devido às condições deficientes da água e do saneamento


Presidente Sirleaf: o mundo perde 260 biliões de dólares americanos devido às condições deficientes da água e do saneamento

MONROVIA, Liberia, January 31, 2013/African Press Organization (APO)/ A vencedora do Prémio Nobel da Paz e Presidente Liberiana Ellen Johnson Sirleaf emitiu um aviso desolado na Monróvia na quarta-feira ao Grupo de Alto Nível do Secretário-geral das Nações Unidas que se reúne esta semana para abordar o futuro dos esforços para reduzir a pobreza internacional, realçando que as perdas económicas devido às condições deficientes da água e do saneamento a nível global ascendem a 260 biliões de dólares americanos todos os anos.

Logo: http://www.photos.apo-opa.com/plog-content/images/apo/logos/wateraid.jpg

A Presidente, umas das três co-presidentes do Grupo de Alto Nível do Secretário-geral das Nações Unidas de Pessoas Eminentes na Agenda de Desenvolvimento Pós 2015, declarou na quarta-feira (30 de Janeiro de 2013) que:

“260 biliões de dólares americanos em perdas económicas anualmente estão relacionadas ao abastecimento inadequado de água e saneamento em todo o mundo. Devemos encarar este problema com mais seriedade.”

“O saneamento inadequado em particular é encarado com demasiada frequência como um resultado do desenvolvimento, e não como um impulsionador do desenvolvimento económico e da redução da pobreza. A Coreia do sul, a Malásia e a Singapura, durante as décadas dos anos 60 e 70, demonstraram o potencial que uma abordagem do problema do saneamento tem para o impulsionamento do desenvolvimento económico..”

Os comentários da Presidente surgiram durante a reunião do Grupo de Alto Nível na Monróvia que esteve principalmente focalizada no tema da “transformação económica”.

O Grupo, que incluía 27 líderes oriundos de governos, sector privado e sociedade civil, é co-presidido pelo Primeiro-Ministro do Reino Unido David Cameron, o Presidente Susilo Bambang Yudhoyono da Indonésia e a Presidente Sirleaf. O Grupo tem em mãos a tarefa de produzir um relatório em Maio para o Secretário-geral com as recomendações para uma agenda de desenvolvimento para o mundo.

As metas actuais do Objectivo de Desenvolvimento do Milénio sobre a água e o saneamento têm atingido diferentes níveis de progresso e apoio político e financeiro. Enquanto a meta da água potável – reduzir pela metade a proporção de pessoas em todo o mundo sem acesso a água potável segura – foi atingida cinco anos antes em 2010, a meta do saneamento apresenta um atraso de décadas. Especificamente, os progressos em África são ainda piores, com a previsão de que a África Subsariana atingirá esta meta com um século e meio de atraso.

Girish Menon, Director dos Programas Internacionais para a Instituição de Caridade votada à água e saneamento internacionais, a WaterAid, afirmou:

“O Grupo de Alto Nível deve aproveitar esta oportunidade única para definir uma visão ambiciosa para erradicar a pobreza na nossa era. Para esta aspiração ser alcançada deve existir um foco central em alcançar o acesso universal à água, ao saneamento e à higiene.”

“Os esforços internacionais para com os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio têm demonstrado que para atingir o sucesso em áreas como a educação, a saúde infantil e a igualdade entre os sexos, o progresso no acesso à água, saneamento e higiene é crucial. Integrar estas abordagens será a chave para o sucesso.”

A Libéria é em muitas formas um exemplo típico dos países da África Subsariana, com com o acesso àágua potável segura – 73% da população- excedendo largamente os níveis de acesso a um saneamento decente, com apenas 18%. O acesso médio a estes serviços na África Subsariana situa-se entre os 61% para a água e os 30% para o saneamento.

A Presidente Sirleaf, que também é Embaixadora da Boa Vontade para a água, saneamento e higiene em África, também declarou:

“Sem mais progressos no fornecimento de um acesso seguro à água e a um saneamento eficiente, as crianças continuarão a faltar à escola, os custos de saúde continuaram a ser um fardo para as economias nacionais, os adultos continuarão a faltar ao trabalho e as mulheres e meninas continuarão a dedicar várias horas por dia á tarefa de recolher água, normalmente a partir de fonte de água suja.”

De acordo com um relatório de 2012 da WaterAid, as vidas de 2,5 milhões de pessoas em todo o mundo seriam salvas todos os anos se todos tivessem acesso a água segura e a um saneamento adequado.

A Instituição de Caridade internacional também destacou que se os governos atingissem o Objectivo de Desenvolvimento do Milénio de reduzir pela metade a proporção das suas populações sem saneamento até 2015, em todo o mundo, as vidas de 400.000 crianças com menos de cinco anos seriam salvas – só na Nigéria mais de 100.000 e na Índia mais de 66.000.

Distributed by the African Press Organization on behalf of WaterAid.

Contactos para os meios de comunicação:

•    Na Monróvia: Jonathan Rich, jonathan@jcrcommunications.com +1-347-262-9115 ou Apollos Nwafor apollosnwafor@wateraid.org +231880757808, +23278149131.

•    Em Londres: Hratche Koundarjian, hratchekoundarjian@wateraid.org +44 (0)207 793 4909, +44 (0)7905 911 039.

A WaterAid estará presente na Libéria durante toda a semana, com responsáveis disponíveis para entrevistas acerca da agenda pós Objectivo de Desenvolvimento do Milénio.

Responsável pela WaterAid na Libéria:

•    Girish Menon, Director de Programas Internacionais e Vice Chefe Executivo

•    Nelson Gomondo, Director do Programa para Pan-África – África do Sul

•    Hannah Ellis, Directora de Campanhas Internacionais

•    Willice Onyango, Embaixador e Presidente da WaterAid Youth, International Youth Council, Quénia

Responsável pela WaterAid em Londres:

•    Margaret Batty, Directora de Política e Campanhas

•    Tom Slaymaker, Analista Político Sénior (Governo) e Vice-Chefe de Polícia

•    Fleur Anderson, Directora de Campanhas

Notas para os Editores:

•    O valor de 260 biliões de dólares americanos relativo ao custo global da falta de acesso a água e saneamento foi calculado num relatório de 2012 da Organização Mundial de Saúde e pode ser encontrado em http://www.who.int/water_sanitation_health/…/2012/globalcosts.pdf

•    Mais informações acerca do Grupo de Alto Nível podem ser encontradas em http://www.post2015hlp.org

•    Os valores das taxas de acesso à água e saneamento podem ser encontrados em http://www.wssinfo.org

•    Os valores acerca do impacto de atingir as metas do acesso à água e saneamento do Objectivo para o Desenvolvimento do Milénio na mortalidade podem ser encontrados em http://www.wateraid.org/documents/Saving_Lives_Notes_Final.pdf

•    783 milhões de pessoas não têm acesso a água segura. Isto corresponde a cerca de um oitavo da população mundial.

•    2,5 biliões de pessoas no mundo não têm acesso a um saneamento adequado, ou seja 39% da população mundial.

•    Por cada $1 investido em água e saneamento, existe uma média de $ 4 de retorno no aumento da produtividade.

A WaterAid (http://www.wateraid.org) transforma vidas ao melhorar o acesso a água segura, higiene e saneamento em algumas das comunidades mais pobres do mundo. Trabalhamos em 27 países de África, Ásia, América Central e na região do Pacífico. Ao longo dos últimos 30 anos, a WaterAid chegou a 15,9 milhões de pessoas com água segura e, desde 2004, a 11 milhões de pessoas com saneamento. Para mais informações, visite http://www.wateraid.org, siga a @wateraid no Twitter (https://twitter.com/WaterAid) ou visite-nos no Facebook em http://www.facebook.com/wateraid

SOURCE

WaterAid


Categories

%d bloggers like this: