Posted by: africanpressorganization | 22 January 2013

Declaração ao Parlamento Europeu da Sra. Catherine Ashton, Alta Representante da União Europeia para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança, sobre a situação no Mali


 

 

Declaração ao Parlamento Europeu da Sra. Catherine Ashton, Alta Representante da União Europeia para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança, sobre a situação no Mali

 

BRUSSELS, Kingdom of Belgium, January 22, 2013/African Press Organization (APO)/ Declaração ao Parlamento Europeu da Sra. Catherine Ashton

 

Senhora Presidente,

 

Gostaria de agradecer ao Presidente do Parlamento Europeu, Sr. Martin Schulz, e a todos os grupos políticos para a cooperação e flexibilidade ao abrirem um espaço na agenda de hoje para debater a situação no Mali.

 

Isso é algo que senti fortemente nesta semana muito turbulenta que queria ser capaz de fazer, enquanto trazemos em conjunto os nossos serviços na plataforma de crise, enquanto falamos com o Governo do Mali e enquanto convocamos o Conselho dos Assuntos Estrangeiros em sessão de emergência nesta semana.

 

Como viram, a situação no Mali ao longo da semana passada mudou drasticamente. As intenções dos rebeldes e dos terroristas jihadistas no norte do Mali tornaram-se mais claras quando eles lançaram uma ofensiva mais ao sul e tomaram a cidade de Konna na região de Mopti a poucas centenas de quilómetros da capital, a cidade de Bamako: era claro, como foi analisada a situação perante o seu desenvolvimento, que eles desejavam ganhar, tanto território quanto possível dentro do Mali para reforçar a suas posições antes da comunidade internacional estar completamente pronta para agir. Eles também queriam destabilizar o Governo em Bamako, para torná-lo ainda mais difícil para a comunidade internacional de levar o seu apoio ao povo do Mali. As consequências disso ficam já claras a partir das acções perpetradas por esses grupos radicais no norte do Mali. Houve abusos horríveis dos direitos humanos, a profanação de lugares sagrados e culturais, o atropelamento da liberdade política e religiosa, e a ameaça a todos os países vizinhos.

 

Essa ameaça se estende à União Europeia mesma. Estamos directamente impactados pela situação lá. Grupos terroristas no norte do Mali utilizam este território que controlam para todos os tipos de tráficos, incluindo o narcotráfico e o contrabando de armas. Eles tomaram um grande número de reféns, muitos deles originários de Estados-Membros europeus. Não podemos ficar indiferentes.

 

Saúdo os Estados-Membros da União Europeia, nomeadamente a França, assim como os países da África Ocidental, que vieram em ajuda de Mali. É importante que os rebeldes compreendam que a comunidade internacional está unida no apoio ao povo de Mali contra aqueles que querem impor um regime antidemocrático e violento sobre eles.

 

Conforme as conclusões do Conselho de Segurança das Nações Unidas nos dias 10 e 14 de Janeiro de 2013, as acções agressivas dos rebeldes “constituem uma ameaça directa para a paz e a segurança internacional”. Eu condenei firmemente esta agressão.

 

O que estamos enfrentando hoje no Mali é uma questão de emergência. Temos que agir. Não fazer isso seria um grande erro político, estratégico e humanitário.

 

Como outras organizações internacionais – não só a ONU, mas a União Africano e a CEDEAO – bem como um número de Estados-Membros liderados pela França e outros países africanos, a União Europeia respondeu ao apelo do Presidente Traoré do Mali para ajudar. Coordenação e envolvimento são absolutamente necessários. Os países da região estão desempenhando um papel fundamental e a decisão da Argélia e do Marrocos de permitir o uso de seu espaço aéreo é um bom exemplo desta mobilização internacional.

 

Isso será muito um esforço colectivo. Mas a União Europeia, que assumiu a liderança na definição de uma estratégia para resolver os problemas da região do Sahel, tem um papel crucial a desempenhar. Eu defini o compromisso da União Europeia para garantir o apoio ao povo do Mali já em um comunicado do dia 11 de Janeiro de 2013. Mas o mais importante agora é agir rapidamente.

 

Desde o final da semana passada, os colegas do Serviço Europeu de Acção Externa e da Comissão Europeia prepararam um pacote de medidas que irá fornecer ajuda imediata e de longo prazo ao Governo e ao povo do Mali.

 

Ontem presidi a uma reunião da Plataforma da União Europeia de Crise para puxar os fios juntos e falei novamente com o Ministro de Negócios Estrangeiros da França, Sr. Laurent Fabius, sobre a situação no terreno. Tomando todos esses elementos em conta e devido à emergência da situação, anunciei uma reunião extraordinária do Conselho de Assuntos Exteriores, que vai discutir este pacote de acções e adoptar medidas imediatas. Como eu repeti ontem num comunicado, precisamos acelerar a nossa linha de acção.

 

O Ministro dos Negócios Estrangeiros do Mali está a caminho de Bruxelas para se encontrar comigo de forma bilateral e, em seguida, se juntar a nós no Conselho dos Negócios Estrangeiros.

 

A União Europeia já concordou em fornecer uma Missão de Treinamento (EUTM) para ajudar o Exército do Mali reestruturar e aumentar a sua capacidade de defender as pessoas contra essas ameaças. Temos a intenção de implantar esta missão tão rapidamente quanto possível e mais rápido do que foi planejado. Embora as circunstâncias mudaram, a necessidade de Mali para ter forças armadas eficientes e profissionais, sob controlo civil, é ainda mais urgente e, no longo prazo, essencial para a viabilidade e a integridade territorial do Mali. Então, vamos adaptar conformemente os detalhes de nossa missão, obter o acordo dos nossos Estados-Membros e enviar sem demora ao Mali os primeiros elementos preparatórios e técnicos dessa missão.

 

A União Europeia também se comprometeu para o apoio aos países africanos que fornecerão tropas para a Missão de apoio para o Mali (AFISMA), conferida pelas ONU-UA e sob liderança africana. Uma parte importante deste esforço internacional é de sublinhar a necessidade de uma verdadeira posse africana de toda esta iniciativa.

 

Eu estou trabalhando com o Comissário Piebalgs e os Estados-Membros para garantir que o nosso apoio financeiro, através do Mecanismo Africano de Paz, poderá ser fornecido em tempo útil, considerando que este já está sendo executado mais rapido do que previsto inicialmente. Nós também temos que pensar sobre o apoio logístico, pois o envio desta força sob liderança africana é fundamental para a luta contra os grupos terroristas e para a restauração da integridade territorial do Mali.

 

Estamos a estudar formas para poder apoiar o Presidente Traoré e o seu Governo para colocar o país de volta num caminho certo de democracia e constitucionalidade. Os Senhores Deputados sabem, enquanto nós já falamos sobre a nossa posição no Sahel e a nossa estratégia global, que o Mali atravessou um período traumático em relação ao ano passado. Duas coisas ficam agora bem claras: o papel das forças armadas do Mali é defender o povo, e não de governar; segundo, o Governo do Mali tem responder às necessidades do povo, contribuindo para o seu desenvolvimento e respeitando a sua diversidade. A União Europeia pode ajudar em ambos esses assuntos.

 

Nós estamos tentando também aumentar a nossa ajuda humanitária. Esta assistência nunca parou (58 milhões de Euros já durante o ano 2012 – 20 milhões de Euros imediatamente disponíveis) e vai continuar, mesmo em condições difíceis, a fim de atender às necessidades crescentes da população do Mali, dos deslocados internos e dos refugiados, das mulheres e das crianças que são as primeiras a sofrer numa crise como essa.

 

É parte da nossa abordagem abrangente tentar resolver a gama de questões que irão ajudar a construir um futuro mais estável e próspero para o país. Essa é uma razão pela qual pretendo nomear um Representante Especial da União Europeia para a região do Sahel, para aumentar a nossa capacidade de oferecer ajuda a todos os países da região e para participar ainda mais activamente aos necessários mecanismos de coordenação internacional.

 

Mas a sobrevivência do Mali deve vir em primeiro lugar com a necessidade de proteger, promover e respeitar a soberania, a unidade e a integridade da nação do Mali. Essa é a prioridade imediata. E é aí é que a nossa ajuda imediata é focalizada.

 

SOURCE 

European Parliament


Categories

%d bloggers like this: